Lave sua Roupa

Escrito em: 2 de Maio de 2008 por Gisele de Menezes

Esta é uma poderosa prática espiritual! Seu corpo você já sabe lavar, lava mecanicamente, e isso não ajuda em nada sua evolução, sua percepção e Presença. Mesmo que você se demore no banho, lamentavelmente desperdiçando muita água, freqüentemente costuma estar com a cabeça em outro lugar enquanto se esfrega, ou simplesmente, “relaxa” com a água quente.

Os seres humanos são mestres na arte de estar aqui fisicamente mas não estar integralmente. Até sexo conseguem fazer pensando em algo que lhes estimulem, criando fantasias e artifícios com o objetivo de satisfazerem-se.

Intrinsecamente buscamos um momento de absoluto vazio, onde os pensamentos não têm permissão para entrar e, se entrarem, serão como nuvens passando no céu, simplesmente passando. Este momento de satisfação sublime, de encontro com o Ser, está oculto em nossos anseios. A procura frenética por satisfação sem nada encontrar, é o resultado de nosso desconhecimento da plenitude.

Não crie nada! Lave sua roupa!

Com essa prática, ao perceber seus resíduos encardindo a roupa, você poderá entender que morre a cada instante. Se perceber que seu corpo descama, decompõe-se, então entenderá que a renovação, assim como a morte, é constante. Esse fluxo vital precisa de uma molécula de oxigênio, um momento de vazio.

A vida pode estar aí.

A compreensão da impermanência pode lhe assaltar nesta simples prática de lavar a roupa, algo que você faz pela sua natureza mortal. Pode parecer insignificante, entretanto a insignificância é nossa condição em relação ao macrocosmo. Já em relação ao microcosmo, somos abundância e, de uma maneira geral, não estamos satisfeitos.

Na verdade estamos apavorados sem saber pra onde vamos, perdidos em pensamentos insondáveis; fazendo planos e montando estratégias por momentos melhores, ou o que é pior, lembrando o irrecuperável passado. Por não entendermos nossa condição eterna, nossa Presença perene, temos dificuldade de relaxarmos na possibilidade de não ir a lugar nenhum.

Por achar que a morte é o fim, por não compreendê-la – não lavando nossa própria roupa – resolvemos ficar por aqui a qualquer custo. Enlouquecidos, estamos acabando com o meio ambiente, a Mãe Terra.

Nossa idéia de juventude nos tirou o bom senso, alguns de nós estão horrorosos, cabelos implantados, enchimentos emborrachados, reparos cirúrgicos desafiando a lei da gravidade e a lei do tempo, extrapolando também a lei das articulações, exercendo atividades que superam em muito os limites humanos e, tudo isso a um custo muito alto.

Caro para todo o Planeta!

Para pagar esta conta, trabalhamos loucamente, articulamos modos curiosos e ilícitos de enriquecer, sacrificamos muito de nossa juventude para conseguir reparar o desgaste sofrido pelo envelhecimento precoce causado por tanta loucura. Uns produzem até máquinas de lavar roupas em série, maravilhosas, caras, mas não sentem felicidade, não tem satisfação e continuam insatisfeitos e insaciáveis; subjugando as leis universais. Outros nem chegam a usufruir o “império” e o coração pára antes, não agüenta.

Acorde, lave sua roupa! Você estará aqui sempre. É eterno! Confie, não represe a vida, as coisas são como são e não como gostaríamos que fossem, aceite cada instante e libere o fluxo natural, comece a reparar o que fez contra a vida.

Não herdamos a terra de nossos pais, tomamo-la emprestada de nossos filhos!

Relaxe, busque o prazer no nada!

Da mesma janela por onde entramos, nos lançaremos rumo ao desconhecido. É romantismo achar que alguém cuidará de nós e nos tirará da ilusão da morte. A morte é um fato; e contra fatos não restam argumentos; é a passagem para a eternidade. Se não entendermos Agora, habitaremos a cidade dos mortos. Precisamos entender que somos criação, não temos que ir a lugar algum, nem para a outra dimensão nem para a próxima e assim por diante.

Temos que liberar essa idéia mecanicista de tempo, o tempo é Agora, é sempre. Todas as dimensões nos habitam e habitamos todas elas. Exercite a fé, já sabemos o bastante! Aceite o fluxo como se flutuasse no grande oceano cósmico. Imagine as ondas passando – as ondas passam e você não, sempre haverá a próxima onda.

A percepção é uma questão individual, você pode acessar o Todo, o Sempre. Use suas antenas para captar as freqüências que estão à disposição da criação. Criatividade tem a ver com manifestação do plano divino. Se você fizer algo com total presença, então é sagrado.

Mas você precisa acabar com a ansiedade de estar em algum lugar e, seja qual for a sua posição na sociedade, eu insisto…

…Lave sua roupa!

AUM!

Saiba mais:

Tags:

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados com *

  • Etiquetas