O Manifesto de Tamera

Escrito em: 18 de Junho de 2011 por Gisele de Menezes

Para uma nova geração no Planeta Terra

Por detrás da violência global revelam-se as energias de uma mudança profunda dos tempos. Aqueles que hoje se erguem contra o despotismo poderão amanhã ser testemunhas de um mundo completamente mudado. Saudamos as pessoas que hoje preparam a nova era em todos os continentes, muitas vezes, correndo risco de vida. Saudamos a comunidade planetária surgida recentemente.

“Temos medo. Aqui em Gaza temos medo de ser presos, interrogados, espancados, torturados, bombardeados, mortos. (…) Somos uma juventude com corações pesados. Carregamos um peso tão imenso que se torna difícil apreciar o pôr- do-sol. (…) Há uma revolução a crescer dentro de nós, uma imensa insatisfação e frustração que nos irá destruir a não ser que encontremos uma forma de canalizar esta energia para algo que possa desafiar o actual estado das coisas e nos dê algum tipo de esperança.”
(Citação extraída do Manifesto da Juventude de Gaza pela Mudança, Dezembro de 2010)

Este é o apelo da juventude de Gaza. É o apelo de uma geração sem esperança. Um apelo de muitos países da Terra. Representantes do Centro de Pesquisa para a Paz em Tamera, Portugal, realizaram diversas peregrinações em Israel/Palestina e na Colômbia. Esperamos que o seguinte texto possa ser um contributo para ultrapassar a miséria e encontrar um meio novo para canalizar as energias suprimidas.

Saudamos a juventude do mundo. Saudamos todos os ativistas da paz bem como todos aqueles que nas regiões de crise da Terra dão o seu apoio. Saudamos aqueles que, frequentemente, correndo perigo de vida lutam pelos direitos humanos, pela proteção das crianças e dos povos indígenas, pela proteção dos animais, pela proteção dos oceanos, das árvores e de todas as co-criaturas da grande família da vida. Saudamos também todos os governos que ainda têm a coragem de se erguer contra a globalização mundial e os seus métodos.

Este manifesto é para uma geração jovem que já não encontra nenhum futuro na atual sociedade, para aqueles que agora estão activos numa luta de libertação, para os familiares das vítimas, para as muitas pessoas que face à miséria diária já não encontram nenhuma saída e nenhumas perspetivas. O mundo encontra-se em transição para uma nova forma de vida na Terra. As antigas ditaduras e hierarquias já não são viáveis por muito mais tempo. Assistimos ao colapso dos grandes sistemas. A revolução nos países árabes, as revoltas juvenis nas metrópoles ocidentais, a crise financeira mundial e o desemprego maciço, o aumento das guerras e catástrofes naturais provocadas pelo homem, a displicência moral da maioria dos governos, os planos internacionais para estados de emergência, e os bunkers subterrâneos dos ricos são sinais seguros para o fim próximo de uma época de violência. Por detrás da violência global revelam-se as energias de uma mudança profunda dos tempos. Aqueles que hoje se erguem contra o despotismo poderão amanhã ser testemunhas de um mundo completamente mudado. Saudamos as pessoas que hoje preparam a nova era em todos os continentes, muitas vezes, correndo risco de vida. Saudamos a comunidade planetária surgida recentemente.

Mudança de Sistema a Nível GlobalPor detrás do massacre global que decorre hoje em dia estão falsos sistemas de economia, falsas concepções de amor e religião, falsos sistemas de pensamento e um abuso infinito dos recursos naturais. Através desta orientacao desvirtuada da evolução surgiu uma matriz global de medo e violência que se introduziu profunda e colectivamente na alma humana. A nova comunidade planetária desenvolve uma mudança fundamental de sistema, da matriz do medo para a matriz da confiança. Desde os temas das relações pessoais até aos temas políticos e ecológicos da cura total do planeta esta mudanca actua em todos os domínios. A maior parte das catástrofes naturais são também consequência de intervenções humanas erradas nos ciclos da natureza. A mudança de sistema é uma mudança de poder. O novo poder não consiste no domínio sobre os outros, mas na reunificação com as leis sagradas da vida. Em toda a parte e, mesmo onde agora alastra a destruição, começam a surgir as primeiras células de um novo mundo. Por mais terrível que seja o apocalipse mundial não significa apenas declínio, mas também revelação. O esquecido carácter sagrado de toda a vida ergue-se agora a partir dos escombros do tempo ancestral e dá à luz uma nova época. As novas comunidades estão ao serviço da vida, trabalham no «vinha de Deus» e estão em cooperação com as potências mais elevadas que, desde sempre, formaram o nosso universo. A mudança de sistema decorrerá de um modo surpreendentemente rápido. Dentro de poucas décadas os nossos filhos e netos já só conhecerão através dos livros de História os milénios de épocas de guerra. A Terra é curável. Existe um mundo que cura as nossas feridas. Esse é o mundo da vida não distorcida. E existe um mundo que causa as feridas: é o mundo dos seres humanos. Estes mundos têm de convergir para evitar o sofrimento futuro. O mundo dos seres humanos tem de ser novamente submetido às ordens fundamentais da vida universal. A recuperar estão em primeiro lugar os quatro fundamentos da vida: a energia, a água, a alimentação e o amor. Estas quatro fontes de vida têm de ser libertadas das potências obscuras que as destruíram (empresas de produção de energia, ditaduras, igrejas, etc.). Esta luta não é privada nem local, mas sim uma luta global. É uma luta entre as forças globais da vida e as forças globais da destruição. Se a força da vida vencer, não existirão vencidos.

Uma Nova Comunidade PlanetáriaPara além dos tumultos em todo o mundo, existe hoje um movimento global para a salvar a vida na Terra. Este movimento é formado por grupos provenientes de tradições pacifistas indígenas, budistas ou cristãs, sobretudo, na América Latina e no Tibete. E também por comovidos ativistas pela paz, ambientalistas e lutadores pela vida que, desde há muito, sabem que dentro dos actuais sistemas já não existe um futuro digno de ser vivido. Vemos uma nova geração de peregrinos provenientes de todos os países a percorrer o mundo. Já não estão amarrados nem a uma nação, idioma, raça, cultura ou religião, nem também à riqueza ou posse. Ajudam em zonas de crise, visitam locais sagrados, encontram-se junto a fogueiras e pousadas, partilham o seu pão e desenvolvem uma nova qualidade de comunidade. Para além de todas as instituições surge assim uma nova cidadania global, uma nova forma de «globalização» positiva. Este processo é apoiado através da criação de um novo tipo de centros que, lentamente, se vão espalhando sobre a Terra. Chamamos-lhe «Biótopos de Cura» ou «Aldeias de Paz». São para os peregrinos locais de acolhimento, centros de estudo e locais de trabalho. É realizado aí um trabalho prático de investigação para os fundamentos tecnológicos, ecológicos, sociais, espirituais e intelectuais de uma sociedade mundial sem violência. Estes centros seguem e partilham uma espécie de ‘regras’ planetárias, ou seja, uma ética de vida com princípios comums e uma Carta dos Direitos Humanos e dos Direitos dos Animais. São válidos os seguintes oito pensamentos de paz em todos estes centros localizados em vários pontos da Terra:

1. Direitos Humanos e Direitos dos Animais
Os Direitos Humanos fundamentais são respeitados independentemente da origem religiosa ou étnica. Nas suas imediações não toleram nem ódio, nem violência, nem humilhação. Os direitos fundamentais dos animais são seguidos: o direito de todos os animais a um habitat, alimentação, liberdade de movimento, curiosidade e contacto. No novo mundo não existirão mais animais mutilados, cães com caudas cortadas, experiências com animais para a indústria farmacêutica. Não haverá mais exploração da pele animal, nem matadouros. Na grande família da vida, os animais são naturalmente parceiros de cooperação e amigos do homem. Os animais precisam da nossa ajuda e não da nossa perseguição.

2. Três Princípios Éticos
Sao seguidos os princípios éticos fundamentais da comunidade, principalmente, os três princípios: verdade, apoio mútuo e participação responsável no Todo. Em comunidades que se baseiam na verdade e no apoio mútuo desenvolve-se uma força que é mais poderosa que qualquer violência. É a força da confiança: confiança entre homem e mulher, confiança entre adultos e crianças, confiança entre os seres humanos e os animais. Assim, é restabelecida a confiança primordial num mundo no qual já não existe mais medo. A confiança é o fundamento a partir do qual se cura a vida. Não existe uma visão mais profunda do que a visão de um mundo em que a confiança reina entre todos os seres.

3. Sexualidade, Amor, Parceria
Seguem também o princípio da verdade e apoio mútuo nos domínios da sexualidade, do amor e da parceria. Não pode haver paz no mundo enquanto houver guerra no amor. O novo mundo ultrapassou todas as formas da luta entre os sexos. Não existe nem chauvinismo, nem feminismo. Homem e mulher estão em pé de igualdade e trabalham com o mesmo objetivo: a reunificação da vida. As questões da monogamia ou poligamia, do amor a dois ou do amor livre não são questões ideológicas ou religiosas, mas questões do desenvolvimento pessoal e decisão de todos os envolvidos. O amor é um processo natural e não um tema jurídico. Não existe nem uma exigência jurídica de amor, nem um direito de propriedade sobre um parceiro amoroso, mas existe uma grande confiança e a profunda solidariedade entre a parte feminina e a parte masculina da humanidade. A sexualidade está liberta de todas as formas da opressão religiosa, da mentira, da humilhação e da violência. Para além da reprodução, a sexualidade serve exclusivamente para o amor mútuo, a saúde e a alegria de viver. Num mundo humano, a sexualidade nunca pode ocorrer contra a vontade de um dos parceiros.

4. Nenhumas Barreiras Religiosas
Na comunidade planetária não existem barreiras religiosas. Acima de todas religiões reina o mesmo Deus, o mesmo céu e a mesma ordem cósmica da matriz sagrada. A instância sagrada que servimos não é uma instituição eclesiástica, mas sim a própria vida porque a amamos. O divino já não se revela nas antigas bíblias, mas sim nas formas de movimento do fluxo de um ribeiro ou na estrutura da construção de uma folha de relva e, sobretudo, no amor e no conjunto do jogo misterioso das energias a partir do qual provém toda a vida. O criador não é nenhum Deus-pai castigador, mas sim o Ponto-Eu do mundo no qual se encontram todas as vibrações. Este Ponto-Eu existe em todos os seres. Quando nos reencontramos neste sentido, já não pode haver mais violência religiosa.

5. Grace (Graça): Vingança não. Reconciliação
À crescente comunidade planetária deu-se um nome. Os seus cartazes dizem: “Grace – Movimento por uma Terra Livre.“ Desse modo, declaram que as feridas e a dor sofridas já não devem ser respondidas com ódio nem violência. A dor produziu uma nova determinação, o ódio transformou-se numa decisão absoluta pela vida, pela paz e pela cura. Já não existe neutralidade porque tomámos o partido da vida. Esta não é uma tomada de partido ideológica ou política. As lágrimas que uma mãe israelita derrama sobre o seu filho assassinado são as mesmas lágrimas de uma mãe palestina. Para muitos, a dor é grande demais para chorar. Acusações e condenações já não fazem sentido, pois, apenas prolongam a espiral da violência. Os jovens manifestantes no Cairo ou Tripoli são da mesma idade que os polícias e soldados que disparam sobre eles. Podiam ter sido amigos. Também os trabalhadores pela paz em San José de Apartadó na Colômbia, e os assassinos paramilitares podiam ser amigos, se conseguissem libertar-se das garras de um sistema abominável. Não à vingança! Foi este o apelo de uma jovem israelita (Michal), após ter ficado com o rosto desfigurado num atentado suicida de um jovem palestino e disse que talvez tivesse feito o mesmo, se estivesse na situação dele. A força interior para esta atitude baseia-se na compreensão mais profunda de que todos nós humanos vimos da mesma fonte, passámos por um sofrimento semelhante e aspiramos a um mesmo objetivo de paz e de cura.

6. Viver sem Medo
Já não existe medo de um qualquer inimigo, uma vez que já não existem nenhuns inimigos reais. O pensador indiano Sri Aurobindo lutou como revolucionário pela independência da Índia da colonização Inglesa. Na prisão, enquanto aguardava a sentença de morte, surgiu-lhe Vasudeva (Deus). Vasudeva surgiu-lhe sob a forma dos guardas, dos advogados de acusação e dos juízes. Ele já não tinha medo e foi libertado. Este é um nível muito elevado no desenvolvimento da consciência. Quando o homem alcançou o ponto interior em que já não reage com medo ou ódio, o seu organismo modifica-se, torna-se cada vez mais imune a qualquer ataque e invulnerável. Existem exemplos espantosos deste milagre. Os Jansenistas em Paris (séc. XVIII) não puderam ser mortos porque já não tinham nenhum medo. Nos tempos da peste os ajudantes que não tinham medo de contágio eram imunes à doença. Existem relatos de pessoas nos campos de concentração que foram poupadas pelos carrascos, porque não tinham medo do seu poder e crueldade. Estamos perante uma chave profunda do trabalho de paz de hoje em dia: quem não projeta sobre o mal, não pode ser atingido pelo mal. O mal recebe o seu poder não de si próprio, mas das projeções do medo que lhe são trazidas. Um regime cruel sobre o qual já ninguém projeta, não consegue manter-se no poder. No sentido mais profundo, depende de nós mesmos se ganhamos ou perdemos esta luta. Vamos ganhá-la se já não reagirmos com os antigos padrões. Para isso é preciso um nível elevado de formação e uma elevada visão do objectivo comum. A vitória não é uma questão de emoção coletiva, mas sim de uma sabedoria coletiva. Quando um novo movimento planetário toma partido pela vida com todo o seu coração, incondicionalmente, então está do lado mais elevado da justiça e é assim protegido pelas forças mais elevadas.

7. Cura da Água
A água não é apenas uma substância química H2O, mas um organismo vivo. O novo mundo conhece o segredo da água, talvez como foi descrito mais profundamente por Viktor Schauberger. Todas as informações vitais do cosmos e da Terra estão registadas na água e são assim transmitidas a todos os seres. Na água saudável e rica em energia reside uma chave para a cura total da Terra. Água de nascente saudável e água potável saudável são a base para uma economia de subsistência saudável, para a cura da natureza e do homem e para uma saudável ligação das novas comunidades com as forças centrais da vida. Graças às elevadas energias de auto-purificação da água, a cura da água realiza-se relativamente depressa, assim que sejam eliminados os fatores de perturbação e as formas naturais de movimento sejam restabelecidas. A nova comunidade planetária começou, em diversos locais da Terra, a desenvolver novos sistemas para a cura da água. Nos lugares mais inóspitos da Terra pode ser criada água. Através da utilização inteligente das possibilidades inerentes à água podem, em quase toda a parte da Terra, irão surgir comunidades autárquicas. Água, energia e alimentação estão ao dispor de toda a humanidade!

8. A Aliança Sagrada de Todos os Seres
A nova comunidade de paz planetária é acompanhada por um exército de co-criaturas visíveis e invisíveis que, no seu conjunto, formam a biosfera. Todos os seres vivos da biosfera estão em ressonância entre si. Em conjunto formam um sistema de informação unificado (a Noosfera). Este sistema de informação foi fortemente desequilibrado através das violentas intervenções dos homens. As baleias perdem a orientação, as abelhas extinguem-se e, recentemente, caem muitos pássaros mortos do céu. Para voltar a curar a biosfera têm de ser introduzidas as respectivas informações de cura. As informações que se baseiam na confiança são bem aceites por toda as co-criaturas e respondidas com entusiasmo. Conhecemos as imagens comoventes do bebé que brinca com a serpente gigante, dos leões que abraçam os seus tratadores com amor e, muito mais. Em Tamera surgiu uma coexistência semelhante com cobras, ratazanas e javalis. Assim que o homem abandona os seus medos ocultos relativamente ao mundo animal, os animais mudam totalmente o seu comportamento para com os seres humanos. Entre homem e animal começa uma cooperação que só conhecemos dos contos de fadas.

A partir do momento em que as primeiras comunidades desenvolvam uma informação central de paz global, todo o mundo animal estará do seu lado. Baleias e golfinhos, aves, ratazanas, rãs, formigas, etc. são parte de um sistema de informação invisível que espalham as suas frequências sobre toda a Terra. Por isso, as comunidades de paz da nova era irão fazer tudo para reatar a amizade perdida com todas as criaturas. Isso passa pela renúncia total da violência, engano e abuso. A produção de animais será extinta. Géneros alimentícios, artigos de cosmética, medicamentos, roupas ou malas para a produção em que os animais tenham de morrer ou de sofrer desaparecerão das nossas casas. Quanto mais conscientemente isto suceder, mais poderosa será a energia curativa que dirige o processo global a partir destes centros.

O Êxito GlobalComo é que o novo sistema de uma paz global consegue espalhar-se e estabelecer-se mundialmente? O que é que nos dá o otimismo para acreditar tão firmemente num fim próximo do massacre global? É a compreensão da eficácia poderosa de novos pensamentos que estejam em ressonância com as forças de cura do mundo. Podemos comparar o sistema de informação da Terra a uma Internet biológica na qual todas as informações são transmitidas a todos os participantes. O sistema está permeado por espessas informações de medo e de violência. Mas por detrás desta teia traumática está um padrão completamente diferente, o padrão da cura a que chamamos ‘Matriz Sagrada’. Se alguns, mesmo que poucos grupos na Terra, conseguirem fazer o “download” deste padrão sagrado, a informação de confiança e de cura poderá assim ser re-introduzida na rede global, rompendo a cadeia global da violência. A informação de cura liga-se com as energias vitais da matriz sagrada e penetra poderosamente no corpo da Terra, causando imediatamente modificações genéticas e produzindo um campo global a partir do qual em muitos outros lugares da Terra se desenvolverão grupos semelhantes. Assim, será iniciado um processo planetário que já não pode ser detido porque está de acordo com as energias da entelequia da vida. Se considerarmos a Terra como um organismo unificado, então, a informação de cura introduzida funciona tal como o medicamento introduzido no organismo humano. Uma única dose de medicamento provoca um processo de cura em todos os órgãos e em todas as células! Traduzido para o nosso tema: uma única dose de informação de cura (complexa) provoca um processo de cura em todo o organismo da Terra. Os seres humanos já não serão capazes psíquica e fisicamente de torturar ou matar as suas co-criaturas. Uma contribuição central para a transição de épocas vem do poder da visão. Com efeito, vivemos hoje o nascimento de uma visão poderosa: a visão de uma nova Terra! A visão de um planeta livre de violência! A visão da nova comunidade planetária! A visão da solidariedade com todas as co-criaturas! A visão da aliança sagrada! Não há nada mais poderoso do que uma idéia cujo tempo chegou.

Se os revolucionários do nosso tempo conseguirem desenvolver uma sólida visão de paz que prevalece sob todas as resistências, então, terão uma ilimitada energia para a sua concretização. O poder dos pensamentos e das visões provêm da existência da ‘substância invisível’. Através de pensamentos e visões são construídos campos de energia e de informação invisíveis que não possuem nenhumas fronteiras espaciais. São campos de energias e de informação invisíveis a partir dos quais o mundo visível surge! Tal como uma árvore surge da substância invisível das suas informações genéticas. Toda a humanidade está atualmente num novo processo do devir. Neste contexto, talvez seja ainda interessante referir a famosa data Maia de 21 de dezembro de 2012. Não consideramos o significado mitológico desta data, mas sim o significado científico. Nesta data, coincidem diversos acontecimentos astronómicos tal como um máximo da atividade solar que modificará o campo magnético da Terra. Esta modificação provoca modificações moleculares na estrutura genética e neural do ser humano, isto é, na sua consciência e no seu caráter. Este processo precisa apenas de impulsos relativamente pequenos e coerentes com a matriz sagrada para gerar um movimento de paz genético de dimensões planetárias. Nos transes de futuro que foram efetuados no Instituto de Investigação de Paz em Tamera, Portugal, surgiu uma imagem radiante: a data Maia não é o fim da humanidade, mas um ponto culminante da transformação mundial e o início de uma nova era.

Tamera e o Global CampusAo longo dos últimos anos, o Centro de Pesquisa para a Paz em Tamera, Portugal, tem vindo a desenvolver uma comunidade de investigação (presentemente com 170 habitantes) para um futuro sem guerra. Surgiram aqui os pensamentos deste manifesto e aqui estão a ser concretizados. Para a disseminação global destes pensamentos foi fundada uma universidade internacional, o Campus Global, com filiais em diversos continentes. Os pensamentos fundamentais do projecto acima mencionados estão ligados a desenvolvimentos concretos nos domínios da energia, água e alimentação. Surge um novo modelo para o abastecimento básico material do homem sem danos para a natureza e co-criaturas. Energia, água e alimentação estão à disposição de toda a humanidade quando gerimos de um modo sensato os recursos naturais da nossa Terra. Ninguém na Terra terá de sofrer privações, fome ou frio, quando a tirania estiver terminada. Que a morte de tantos trabalhadores pela paz não tenha sido em vão! O apelo de Gaza e o apelo de emergência da Terra já não se irão desvanecer sem serem ouvidos. A catástrofe do Japão despertou milhões de pessoas. Vamos unir-nos em todo o mundo para a edificação de um futuro digno de ser vivido.

Em nome da vida. 

Em nome de todas as crianças.

Em nome de todas as criaturas.

Dieter Duhm, abril de 2011

Referências:

Dieter Duhm: http://www.dieter-duhm.com/
Tamera: http://www.tamera.org/

 

Tags:

Um comentário em: O Manifesto de Tamera

  1. Elisabete: 6:35hs de 29 de Setembro de 2011

    Muito interessante a sua história.
    Parabéns.

    Responder

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados com *

  • Etiquetas