Gisele de Menezes

Somos Guardiões do Simples e Saudável – Exigimos Respeito!

Escrito em: 23 de Janeiro de 2016 por Gisele de Menezes

Trabalho desde 1999, com uma massagem que tem sua origem na Índia. A partir do que recebi da Yoga Massagem da mestra indiana Kusum Modak, desenvolvi minha maneira de trabalhar e posteriormente ensinar, e ainda em 2005 dei o nome para meu trabalho de – Massagem Indiana por Gisele de Menezes – Já me manifestei sobre essa técnica em um post que pode ser lido neste link e também na primeira página da apostila que entrego somente às pessoas que fazem o curso comigo. As pessoas do ocidente que recebem de mim a massagem e quem agora pode ler este post, tem como referência última para acessarem a integridade da massagem ou do post, esta pessoa que escreve.

 

Eu sou a garantia do que faço e do que escrevo, portanto estejam atentos!

 

Há poucos dias fui procurada através de e-mail e posterior ligação telefônica, pela gerente de eventos e planejamentos de uma empresa muito famosa de produtos cosméticos. Vou aqui relatar o que aconteceu e os acordados que observem o que vai acontecer.

Ainda antes de me comunicar através deste post, avisei meus alunos através de um grupo que mantemos secreto em um aplicativo, sobre este momento. Os alunos aos quais me refiro são centenas de pessoas dedicadas e amorosas que vieram até mim de diversas partes do Brasil e também de outros países, em busca de crescimento em suas caminhadas e entregaram-se à transformação que pode ser alcançada pela abordagem terapêutica que coloco em meus grupos.

Da tradicional técnica da massagem indiana, no que diz respeito ao óleo usado para fazê-la; e este é o link deste post, da tradição e da empresa de cosméticos; oriento o uso do óleo vegetal extra virgem que pode ser medicado com processos específicos ou aromatizado com óleos essenciais (OEs) igualmente puros. Portanto, tendo em vista o interesse de uma empresa que comercializa produtos cosméticos sintéticos, fiquei muito preocupada com a proposta que me fez a moça que trabalha para a tal empresa… Eles querem vender!

 

Sabemos todos que algumas grandes e famosas empresas fazem suas campanhas publicitárias a qualquer custo.

 

No contato com a profissional citada, ao perceber que eu estava com minhas colocações e questões, “atrapalhando” seu objetivo, solicitou me gentilmente indicações de outros terapeutas que fazem Massagem Indiana e que por uma questão de praticidade, poderiam ser indicações em São Paulo. Cidade aonde está estabelecida parte da estrutura empresarial deles. Se inicialmente queriam que fosse eu a pessoa, ao manter-me íntegra nos princípios da aplicação do trabalho, agora o controle me escapava totalmente das mãos e a preocupação com o já exposto me fez tremer. Ao indicar meus alunos, o objetivo é prestigiá-los, incentivá-los e agindo assim, naturalmente confiando nos frutos, não posso proteger nem a tradição, nem os próprios alunos – os contatos de muitos deles estão no site! Sendo assim, resta confiar que nos cursos presenciais eu tenha sido clara o suficiente ao passar a informação, dando o ênfase que ela tem no simples, saudável e verdadeiramente amoroso.

Mas voltando a proposta, que legal sermos procurados pelo nosso trabalho – massagem Indiana – e até ficarmos “famosos”. Entretanto, exatamente o que teremos que fazer? Como? E a que preço? Aqui coloco alguns aspectos do “legal passageiro” e “legal permanente”, lembrando que para ser legal deve ser ético.

  • trabalho
  • abrangência
  • abundância
  • oportunidade
  • portas abrindo
  • fama
  • exibicionismo
  • ascenção
  • tombo

Tombo? Sim, tombo ou retorno ao chão. No chão temos a oportunidade de rever o conhecimento primário. Por vezes quando nos deixamos levar pelos atraentes degraus superiores, por uma questão de urgência que assola este momento da humanidade, podemos não manter a necessária atenção à fonte e escorregamos na integridade.

No primeiro degrau ou iniciação, aprendemos uma técnica ancestral e estamos protegidos por toda uma tradição. Aprendemos Amor ao que fazemos e este Amor será expresso em toda a nossa caminhada. Além de todos os cuidados, pois terapeuta é aquele que cuida, devemos caminhar em beleza e integridade por todos os nossos dias. Afinal estamos prestes a lidar com todos os tipos de pessoas, situações, intenções e sabe-se lá o que virá pelas portas que estamos abrindo.

No contato telefônico perguntei a ela qual era a composição do óleo que seria utilizado para a fazer a massagem e a resposta foi “óbvia”, ela não sabia e sequer se interessava.  Afinal o que importava a ela era usar algo que “está na moda”, o tal filão de mercado e vender. Vender, vender, vender.

Chamo a atenção de todos, dos massagistas, dos massageados e dos consumidores. Se não podemos comer o que passamos em nossa pele, porque não conseguiremos digerir apesar de todo o nosso Agni (fogo digestivo), imaginem se nossa pele, com seu delicado Agni, conseguirá se beneficiar de um produto sintético. E ainda chamo a atenção de todos os terapeutas que tem a intenção de fazer um trabalho de Amor, uma empresa que faz testes em animais, está pisoteando no princípio da não violência que em um nível sutil é nossa grande proteção.

Querem usar nosso amoroso trabalho ancestral para VENDER mais, usarão nosso trabalho, o nome Massagem Indiana, nossa integridade e nossa energia primordial. Esta última não está a venda.

Respiramos e amamos fazemos por Amor e curamos. Só o Amor a todos os seres vivos e ao Planeta Mãe nos protege.

Bom trabalho e Paz a todos os seres vivos!!!

AUM! _/\_

Saiba mais:

Curso Livre de Massagem Indiana

É um curso livre, voltado para pessoas que trilham o caminho do auto-conhecimento e o cuidado com sigo e com o outro. Ver mais…

Tags:

Um comentário em: Somos Guardiões do Simples e Saudável – Exigimos Respeito!

  1. Karin: 19:47hs de 10 de Junho de 2017

    Oi Gisele, tudo bem?
    Participei ontem do encontro de cura aqui em Toledo.
    Queria deixar registrado meu agradecimento a vc pessoa iluminada.
    Quanta sabedoria e iluminação em ti!
    Pude sentir isso o tempo todo só ouvindo vc falar e olhando pra ti.
    Por mais que não tenha me curado (infelizmente), consegui ser feliz por está noite que estive junto a ti e a outras mulheres.
    Que nosso criador te conceda sempre esse dom de estar e ajudar o próximo, nunca esquecerei do encontro!
    Namastê

    Responder

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados com *

  • Etiquetas