Arquivos da Tag: Amor

Quantas vezes já disse que Te Amo?

Escrito em: 14 de Julho de 2009 por Gisele de Menezes

Podemos sempre estar Entusiasmados com o que vem de dentro e sem medo de Amar. Enxergar nossas falhas nos padrões que foram impregnando nosso Ser Perfeito, é também perdoar as pessoas que impregnadas de medos, nos trouxeram essas limitações. Temos cada dia, temos o Agora para enxergar nossa parte, claramente podemos ver nossa parte. Assim, estaremos no Todo. Que a grande Luz brilhe e que a Verdade nos permita olhar de frente para Ela! Para compartilhar trago esta frase do livro – Onde Existe Luz – do Yogue Paramahansa Yogananda Quando falta o elemento heróico na estrutura mental de uma pessoa, sua mente se torna suscetível às ameaças das tristezas efêmeras da vida.

A Miséria é Humana

Escrito em: 2 de Dezembro de 2008 por Gisele de Menezes

Quando alguma situação terrível se apresenta, é comum ouvirmos alguém falar que é desumano, que uma “coisa dessas” não é humana. Eu ouso perguntar… Que outra espécie se mostra gananciosa, indiferente, cruel, esganada, assassina, corrupta, ladra, imoral, pedófila, avarenta, maldosa, imprudente e além de tudo isso, orgulhosa? Coloquei abaixo um texto que recebi por e-mail e não sei de quem é, mas certamente foi escrito por um ser humano que não está orgulhoso com sua espécie.   ” ……….. sabem aquelas fotos de crianças desnutridas que são mostradas no Discovery Channel, na National Geographic, nos concursos de foto. Algumas viraram até objetos de arte, em livros de fotógrafos renomados. São imagens de miséria que comovem. São imagens que criam plataformas de governo. Criam ONGs. Criam entidades. Criam movimentos sociais. A miséria pelo mundo, seja em Uganda ou no Ceará, na Índia ou em Bogotá sensibiliza. Ano após ano, discutiu-se o que fazer. Anos de pressão para sensibilizar uma infinidade de líderes que se sucederam nas nações mais poderosas do planeta. Algumas Ong´s dizem que 40 bilhões de dólares seriam necessários para resolver o problema da fome no mundo. Extinguir. Não haveria mais nenhum menininho terrivelmente magro e sem futuro, em … Ver mais…

11:11 – A VIRADA DA MARÉ

Escrito em: 12 de Novembro de 2008 por Gisele de Menezes

Uma mensagem de Kuthumi canalizada por Michelle Eloff 2 de novembro de 2008, África do Sul Nesta canalização, Kuthumi nos oferece informações que nos preparam para uma das maiores mudanças de energia ocorridas até agora, e com a oportunidade de nos desligarmos dos nossos medos mais paralisantes. Ele diz: “Todos os Elohim estarão se concentrando neste grandioso momento de mudança; vocês experienciarão o fechamento dos seus próprios portais internos, através dos quais as trevas acessam os seus maiores medos, e descobrirão que o entendimento da natureza do medo ganhará maior relevância. É de vital importância que compreendam verdadeiramente que a ilusão se encontra dentro, além, acima, diante, atrás e em cada lado do medo. Existe uma grande diferença entre o instinto natural de sobrevivência e os medos fabricados.” Eu sou Kuthumi e me manifesto a partir dos raios do Amor e Sabedoria para saudar cada um de vocês neste momento, e para lhes trazer as bênçãos do foco, dos cuidados amorosos, da compreensão e da sabedoria divina. Saudações, amados. E é com imensa alegria e prazer nos nossos corações, que nos unimos com cada um de vocês neste dia, enquanto os mantemos firmemente no coração de Cristo e com segurança … Ver mais…

Trabalhando com os Espíritos Ancestrais

Escrito em: 1 de Outubro de 2008 por Gisele de Menezes

Sempre que recebo pessoas para um trabalho; individual ou de grupo, uma coisa curiosa acontece. Seja na chegada, no meio ou no final, de alguma forma, elas dão o depoimento de que se sentiram muito bem, ou que foi muito forte, ou ainda, dizem que ao chegarem, já sentem que existe ali um espaço onde a energia está circulando. Por força desse momento, as pessoas abrem seus corações e o que vieram buscar, acontece. Essa impressão, sensação, esse momento, costumo dizer que é por causa do “centramento” de energia que faço no local do trabalho, criando assim um ambiente propício para a cura. Também costumo fazer minhas práticas meditativas nesse centro. O local onde buscamos a espiritualidade, deve ser o mais limpo, leve e preservado possível. Deve ter uma boa iluminação, uma boa circulação de Ar, pode ser bem silencioso e de preferência próximo ou junto a Natureza. Passo aqui, para que seja aproveitado por qualquer pessoa bem intencionada, para que seja possível a qualquer um experimentar a força benéfica dos Espíritos da Natureza, a conexão com os Espíritos ancestrais, os cinco grandes elementos (Pancha Maha Bhutas). Ao Norte, temos os anciãos, antepassados, sabedoria e ação responsável. O futuro criado no … Ver mais…

Depoimentos do Grupo de Trabalho Corporal – POA 2008

Escrito em: 25 de Setembro de 2008 por Gisele de Menezes

Esse grupo aconteceu no segundo semestre de 2008, foi o primeiro grupo que dei ao retornar da Índia. Os conhecimentos recebidos como sementes, encontraram neste grupo um terreno fértil e floreceram. Aqui alguns dizeres que foram compartilhados antes de nos conhecermos e também depoimentos após nossa vivência. Compartilhando – Evoluir, no sentido de me tornar uma pessoa melhor e poder contribuir positivamente para criar um mundo melhor para todos. Marcelo – “O homem sábio é aquele que controla a mente e purifica o coração, preenchendo-o com bons pensamentos”. (Palavras de um grande mestre indiano) Aline – Eu acredito que posso melhorar em tudo pois, meu semelhante merece receber sempre o melhor. Ainda mais na massagem. Lúcia – A primeira coisa que veio na mente foi equilíbrio. Félix – Para mim é importante que cada um possa buscar seu caminho, seja ele qual for, para que sentindo-se melhor consigo mesmo, o ser humano possa fazer com que o planeta vibre diferente e o mais rápido possível, pois a mentalidade humana precisa dar um “salto quântico” para que o planeta com todo seu ecossistema possa ser preservado. Amar e brincar mais, acho que é uma via para isso! Luana – Atualmente para … Ver mais…

  1. Páginas:
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  • Etiquetas