Arquivos da Tag: José Arguelles

Nicholas Roerich, José Arguelles, Bandeira da Paz e Tempo Natural

Escrito em: 23 de Janeiro de 2012 por Gisele de Menezes

Estamos em União pela Paz, pela Harmonia da mente e do Tempo Natural. Nicholas Roerich viveu pela Arte, pela Cultura e pela Paz! José Arguelles viveu pela Arte, pela Cultura, pela Paz, pelo retorno da Luz e pela Ponte Arco-Íris. Percebemos o espaço, o mundo ao nosso redor, através de nossos sentidos. O que vemos, ouvimos, provamos, sentimos e tocamos, define o espaço. O espaço é algo limitado aos nossos sentidos. Hoje temos tecnologia e sempre tivemos imaginação para ir mais além, mas temos que retornar de qualquer ponto para, através de nossos sentidos, compreendermos o espaço. Ninguém poderá dizer a você que o outro lado da rua está a mil passos, certo? E o Tempo? Quem percebe o Tempo? O Tempo é percebido pela mente. Se nosso instrumento de contagem do Tempo, que é o calendário gregoriano, é irregular, sem harmonia, sem lógica e sem fundamento científico, nossa mente corre um sério risco de ficar confusa, fraca e medrosa. Toda manifestação material advém primeiramente de uma criação da mente, certo? Então deve ser por isso que nosso mundo hoje é rodeado pelo caos social e ambiental. Como poderemos mudar esta situação? Com mais produção? Mais carros? Mais dinheiro? Mais … Ver mais…

José Arguelles - Valum Votan

Manifesto pela Noosfera – José Arguelles

Escrito em: 29 de Abril de 2011 por Gisele de Menezes

A Terra e Eu Somos Uma Só Mente. Durante mais de 5 mil de minhas órbitas ao redor do Sol, os humanos têm estado alterando a minha paisagem. Alguns deles maravilhosos, como as terras de cultivo de arroz na Distante Ásia Oriental ou do plantio de milho nos Andes da América do Sul. Canais, irrigação, diques para desviar água, pirâmides e templos, grandes muralhas sinuosas, e logo as cidades com seus sistemas de conexão de estradas, e ao longo da costa, grandes portos marítimos e barcos com velas ondulando em busca de novas terras a conquistar, novas mercadorias para comercializar e, sempre aqui e ali, grandes exércitos em guerra devastando a Terra. Estes eram os mais inteligentes, os ansiosos por riquezas e poder. Os inteligentes me traçaram com mapas e fizeram globos terrestres para imitar-me; elegeram viver no seu próprio tempo e deixaram de viver de acordo com os grandes ciclos que regem a ordem universal. Pelo dinheiro, dividiram seu tempo e dividiram a Terra. Já não se consideravam parte da Terra, senão que Eu, a Terra, me converti em sua escrava. Criaram todo tipo de máquinas e para suas máquinas necessitaram tudo o que puderam tirar da Terra: Destruíram … Ver mais…

  • Etiquetas