Dissolvendo a Bruxaria

Escrito em: 27 de Setembro de 2018 por Gisele de Menezes

Ando assustada com o que tenho visto no quadro social, político, emocional e cultural do nosso País. Vejo medo, desinformação, manipulação e, confortavelmente havia resolvido não opinar, não tomar partido, não me envolver em discussões sem fim e sem força de mudança. Mesmo sem procurar ou dar energia para a infinidade de material visual e auditivo que circula pelas redes sociais e, não podendo mais ficar em uma posição “confortável” ao manter-me calada, as informações vão chegando. Ainda me esquivando passei a refletir se estou com medo, ou se anestesiada acredito em dias melhores sem que eu tenha que lutar por eles…

Que coisa insana esta gente toda, estes interesses todos, estes achismos, partidos, ideologias, todos com suas razões e verdades absolutas. Quanto desentendimento! Alguns ridículos causam até dó, outros inflamados, uma certa euforia, outros ainda aparentemente sérios e responsáveis, desconfiança, memórias, lembranças ruins. Que momento este, que oportunidade à iluminação estamos tendo, tantos reflexos de nós mesmos a nos mostrar o poder de nossas escolhas, pensamentos e intenções.

Seguindo nesta nova posição que recentemente decidi tomar, passei a olhar com “outros olhos” para o que pode estar por trás de uma situação aparentemente horrível. Olhei, escutei, olhei, li… Não encontrei muitas coisas bonitas para compartilhar no que diz respeito a situação geral de nosso País. Em meio a este novo olhar encontrei um texto “anônimo” que gostei. Me empolguei com a possibilidade de compartilhar com o maior número de pessoas essa percepção individual dos fatos provavelmente causadores desta sombra que assola nossa esperança em dias de Paz.

O texto, como você mesmo vai ler abaixo, me clareou a respeito da manipulação pesada que fizeram com nosso País, que pelo que entendi, não é diferente do que fizeram com outras nações que foram subjugadas pelo Esquema Devorador de Recursos Naturais do Planeta. Acho que se mais e mais pessoas enxergarem o momento da bruxaria que foi feita habilmente na “cara de todos”, a força do feitiço vai se dissolver. Assim, na Magia Branca, clara e inocente, ordeno que esse poder obscuro se desfaça e que tudo se transforme na Chama Violeta do mais puro Fogo do Espírito.

Vamos ao texto –

Alguns termos como mundano, ou materialidade, são muitas vezes julgados de inferiores se comparados com as palavras que orbitam os assuntos do Espírito, ou da Criação. Na perspectiva da ciência hindu, tudo vem do Espírito em direção ao material para transformar-se e retornar, sendo esta a única via evolutiva. Ao contrário, na ciência ocidental, parte-se do princípio de que tudo o que existe é material. Daí, em uma busca interminável, vai-se dissecando e dividindo a matéria até chegar-se na menor parte que, sem sombra de dúvida é vazia. Talvez aí a prova “científica” de que tudo vem do vazio. Mas, deixemos que continuem dando importância maior para a matéria, afinal ainda teremos a  imaterial eternidade.

Então, se tudo vem do vazio, em uma abordagem simplista podemos dizer que, toda a matéria é espiritual. E a mente? Algo tão sutil e impermanente, inúmeras vezes condenada a ser a vilã responsável pelos problemas humanos. O que dizer dela? Entendo que ela é somente um instrumento para poder-se existir nesta dimensão material, algo que testemunha e cataloga a experiência material. Agora, o programa que em algum nível escolhemos ou fomos induzidos a escolher para carregar nossa mente, este sim me parece ser determinante nos resultados que estamos tendo enquanto humanidade.

Por isso vejo que falar de espiritualidade e seus ”mecanismos” sutis, com a intenção de fazer uma ponte com política, por exemplo, pode parecer, num primeiro momento, sem nexo. Entretanto quero chamar a atenção para um trabalho de “magia, bruxaria ou feitiço” que foi feito para a nossa Nação. Convido-os a acompanharem os fatos que trago aqui.

Olhando de uma perspectiva mais alta, como a Águia que olha de cima sem nada excluir em seu voo preciso, o exemplo mais atual e claro que posso trazer, está a acontecer e é em relação a Nação brasileira que passa por uma situação que, de uma maneira ou outra, trará crescimento para o seu povo, mas… Esta abordagem não exclui a responsabilidade individual no processo todo, ela atenta ao fato de que talvez tenhamos sido induzidos a chegar no caótico estado atual. Vejamos os fatos!

Em 2011, o presidente Barak Obama visita o Brasil. Eis que sua delegação monta uma espécie de barraca perto do Palácio do Planalto e dessa “central de comando”, que virou temporariamente território norte-americano, o próprio presidente ordena o bombardeio da Líbia. 

Link da reportagem

(aqui acho importante ressaltar que a então presidente eleita do Brasil, após este ato de guerra, manifestou-se contra)

Em pleno coração do Planalto Central – local mais antigo deste planeta, sendo geologicamente comprovado ser o primeiro local a se solidificar, prova disso a quantidade de cristais que afloram na superfície. Local místico reconhecido longinquamente. De lá, do centro do Brasil, país de povo pacífico e acolhedor, foi dada a ordem para se iniciar um bombardeio impiedoso em cima de crianças, mulheres e idosos. Não estou aqui defendendo ou criticando os motivos, este é outro assunto muito profundo que também pode ser dissecado, estou somente trazendo fatos.

No centro de Brasília, distrito federal de um país que tem como princípio diplomático já há muito tempo a tolerância, o entendimento via conversa e o respeito entre as nações, foi disparada uma ordem de guerra! Sem dúvida um ato de bruxaria pesadíssima e de intenções estratégicas e nocivas.

E porque um país tem que ter inimigos? Essa posição historicamente pacífica do Brasil, já foi criticada por dirigentes de países de “primeiro mundo”. Porque temos que ter inimigos? A afirmação de que um país não pode ser amigo de todos é, em uma análise um pouco mais profunda e sem interesses comerciais e financeiros, de uma pobreza de espírito imensa. Eu diria até maldosa. 

Link da reportagem 

Para mim foi fácil enxergar essa manipulação e ligar os fatos deste momento que descrevo acima com a situação em que nos encontramos hoje aonde o país se dividiu em desentendimentos. Explico: em 2015 assisti uma palestra de um espiritualista argentino e, a primeira afirmação que ele fez logo no início da fala foi:

– jogaram um feitiço para dividir a nação de vocês. 

Aquele discurso e a tranquilidade com que ele falou parecendo realmente saber do que falava, conhecer os “fatos”, não me saiu da cabeça. Quem jogou? Talvez a mesma conspiração que, ordenando do Brasil a destruição de outro país, também tirou de nosso povo, de uma maneira sutil, sem que se notasse, nossa inocência e alegria natural de viver.

As fotos acima, no impeachment de Dilma Roussef, em 2016, mostram a materialização do que o espiritualista falou na palestra. O país se dividiu (mais uma vez, não estou tomando lado ou partido, apenas colocando fatos), as pessoas estão com uma raiva emergente nunca antes sentida. O medo sempre gera raiva.

Alguém dividido, com raiva e com medo, além de ser facilmente manipulado e sugado, está a mercê de predadores. Nunca podemos nos esquivar de nossas responsabilidades e colheitas sobre nossas escolhas, mas talvez está na hora de sim, deixar de lado uma certa ingenuidade de que não temos poder (no sentido de auto-controle) e assumir de uma vez por todas o que queremos como indivíduos, nação e civilização.

Hora de entender que existem ações que mesmo que sutis e não visíveis aos olhos de quem não está atento, tem uma material repercussão. E infelizmente as intenções são egoístas e que parecem apenas materiais, como guerras, acordos de comércio, etc, mas têm implicações espirituais muito profundas. O planeta e a espiritualidade esperam o melhor da nação brasileira. Oro para que, de alguma maneira, acordemos dessa ilusão que nos foi imposta, que olhemos para dentro e decidamos mudar o rumo das coisas. Mais uma vez ressalto que não estou falando de eleições, a mudança é em um nível mais elevado, é sutil.

Faço este apelo sob a ponta da espada que cairá sobre nossas cabeças se não cumprirmos com nossa missão de acolher a sexta raça. Assim fez a nação norte-americana ao decidir-se pelo material em contraponto ao espiritual, basta ver a geometria maligna do pentágono no bairro do inferno. Estratégia maldosa levando todo o planeta ao esquecimento.”

E assim acredito que enxergando o ponto no Agora, temos poder para mudar o passado e decidir o futuro. No Agora, na Atenção, no Amor e na União!

Se você chegou até aqui, se leu e sacou que existe muita manipulação egoísta em nosso Planeta, então sugiro a leitura deste texto que fiz há algum tempo quando fui novamente para a Índia e aproveitei para chamar a atenção para um problema que segue aterrorizando a fauna e flora do último pedaço de reserva da cidade de Porto Alegre. Ajudem! 

 

Tags:

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados com *

  • Etiquetas